Conheça cinco fatos sobre os trabalhos do ACNUR com pessoas idosas

Os idosos José Ramon e Fernando foram interiorizadas para Nova Iguaçu por meio da estratégia de interiorização da Operação Acolhida

Atualmente, existem 275 pessoas idosas vivendo nos abrigos da Operação Acolhida em Boa Vista/RR, contando com apoio permanente da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Presente em Boa Vista desde o início da Operação Acolhida, o ACNUR tem apoiado a interiorização das pessoas mais vulneráveis, inclusive idosas, para que possam ser acolhidas em centros de acolhida e integração em diferentes cidades brasileiras.

As pessoas idosas tendem a permanecer por mais tempo nos abrigos pelas dificuldades de inserção socioeconômica em Roraima e por essa razão, buscam estar integrados em outras cidades brasileiras por meio da estratégia de interiorização, que completou hoje mais de 100 mil pessoas realocadas voluntariamente.

É o caso dos senhores Indalecio, Fernando e Jose, que embarcaram na manhã da última 5ª feira (30/03) em Boa Vista, com destino a Nova Iguaçu/RJ, onde foram acolhidos em um abrigo público. Com amplas experiências profissionais, determinação e dispostos a novos aprendizados, eles seguem em busca de suas realizações profissionais e pessoais.

O ACNUR apoia a interiorização com foco em grupos mais vulneráveis, como os de pessoas idosas

Cinco informações sobre os trabalhos do ACNUR com pessoas idosas:

1) A estratégia de interiorização da Operação Acolhida tem enfrentado dificuldades para a interiorização de pessoas idosas. Embora hoje tenha-se alcançado o marco de 100 mil pessoas realocadas voluntariamente de Roraima para mais de 930 cidades no Brasil, deste total pouco mais de 2% têm mais de 60 anos. Esse grupo específico enfrenta barreiras adicionais de integração local por terem pouco reconhecimento de seus talentos, experiências e força de vontade, assim como podem sofrer com a discriminação dupla, pela sua idade (etarismo) e por serem de outras nacionalidades (xenofobia), além de outros elementos discriminatórios como as perspectivas de gênero, raça e religião, por exemplo.

2) Com apoio do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, o município de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, é a única cidade brasileira que recebeu pessoas na interiorização com uma política específica de acolhimento voltado para a população idosa. Em novembro de 2020, o município recebeu 25 idosos em seu abrigo público e nesta 6ª feira (31), recebeu mais 15 pessoas idosas venezuelanas interiorizadas. Do primeiro grupo, houve pessoas que se casaram, que conseguiram trabalho e que passaram a empreender no município, assim como houve também quem pode reencontrar seus familiares.

3) Os cuidados de saúde são uma das principais necessidades imediatas de proteção por parte da população idosa. Para além da saúde física, o ACNUR e seus parceiros atuam em programas de saúde mental voltados também para a população idosa para que possam ter uma acolhida digna, respeitosa e que contemple a escuta ativa diante de quem tem muita experiência a compartilhar. Nas situações de deslocamento forçado, as pessoas idosas tendem a permanecer por mais tempo no país de origem, pois estão mais enraizadas ao local que pertencem e onde construíram toda a sua vida.

4) Muito dos papéis desempenhados pelas pessoas idosas na estrutura familiar, inseridos nas rotinas de adultos e crianças, refere-se aos cuidados e atenção familiar, sendo responsáveis pela gestão e organização da casa. Porém, pelos saberes acumulados e experiências de vida, seguramente as pessoas idosas têm muito a contribuir para o desenvolvimento local, sendo atores importantes para a geração de renda familiar. Nos abrigos de Boa Vista, essa parcela da população tende a ser mais proativa no suporte a temas coletivos, contribuindo de forma voluntária para a manutenção da limpeza e do abastecimento de água, dentre outras atividades cruciais para a gestão dos abrigos.

5) Algumas curiosidades sobre interesses comuns das pessoas idosas abrigadas em Boa Vista: os jogos que elas mais praticam é o dominó e o esporte que mais gostam de acompanhar é o beisebol. Não é de se estranhar, pois este é o esporte mais praticado na Venezuela, com competições nacionais inclusive voltadas especificamente para crianças, acompanhadas atentamente pelas pessoas idosas. Caso você queira conhecer as diversas experiências dessa população, basta se dar a chance de conversar com uma pessoa idosa para conferir os tantos conhecimentos que elas detêm.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *