Alunos da rede estadual criam vídeos e podcast bilíngue que valoriza a cultura amazônica 

Iniciativa, que surgiu a partir de atividade avaliativa, destaca pontos turísticos, comidas típicas e gírias do Amazonas

Alunos da rede estadual, da 2ª série do Ensino Médio, da Escola Estadual Dorval Porto, localizada no bairro do Crespo, zona sul de Manaus, criaram podcast e vídeos abordando a cultura amazonense. O projeto, que serviu como atividade avaliativa, foi gravado em português e traduzido para a língua inglesa, e também produzido e gravado em inglês, pelos alunos. Temas como pontos turísticos, comidas típicas e gírias regionais foram os pontos principais destacados pelos mais de 35 alunos de duas turmas da 2ª série. A atividade está vinculada à Unidade Curricular Comum (UCC): Interculturalidade e Diversidade Amazônica, que passou a compor o currículo do Novo Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação e Desporto para o ano letivo de 2023. O resultado das atividades produzidas pelos estudantes pode ser conferido nas redes sociais da instituição de ensino, pelo link.

Professora de Língua Inglesa na instituição e orientadora da atividade, a docente Milla Menezes, contou como a ideia do trabalho surgiu. “A partir da cartilha da UCC, os próprios alunos sugeriram  que fizéssemos podcasts e vídeos. Esses são elementos que fazem parte da rotina deles e que eles gostam muito de consumir. Então, unimos o conteúdo escolar com a tecnologia, elemento que faz parte da realidade dos estudantes”, comentou. 

Em um dos trabalhos realizados, a história do Teatro Amazonas foi contada em inglês pelo aluno Rennan Costa, de 16 anos. O discente contextualizou a construção, desde o início do Ciclo da Borracha, até a finalização da obra de um dos principais cartões postais do Estado. Para Rennan, poder se aprofundar em temas regionais é importante para os alunos. “Eu percebo que o público jovem, às vezes, não demonstra tanto interesse em aprender sobre a história, conceitos e valores de um local e, por isso, ela [a história]  fica meio apagada. Então, considero positivo o objetivo de nos colocar em contato com essas histórias”, afirmou o jovem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *