‘Avô’ lacerou órgão genital de bebê de cinco dias de vida com pênis no AM

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) repassou mais detalhes, nesta terça-feira (14), sobre a prisão de um homem suspeito de estuprar uma bebê de cinco dias de vida no município de Tapauá (a 449 quilômetros a sudoeste de Manaus). Os médicos acreditam que a bebê terá que passar por uma cirurgia de reconstrução no órgão genital.

De acordo com a delegada Kelly Souto, o homem era casado com a avó da bebê e seria padrasto da mãe da criança. Ele também já possui antecedentes criminais de um estupro contra uma adolescente de 16 anos. A polícia explicou que no primeiro momento, o homem disse que o que aconteceu foi um acidente.

O suspeito alegou que teria carregado a bebê que estava apenas de fralda quando sua mão escorregou e machucou o órgão genital da menina. Porém, segundo a polícia, os médicos alegaram que a criança tinha uma laceração maior que foi feita com algo mais grosso apontando para o uso do pênis.

No dia seguinte do crime, a família percebeu que a fralda da criança estava suja de sangue. A delegada informou que um dos médicos que atendeu a bebê é ginecologista e obstetra, sendo ele que fez o parto da mesma. O médico contou para a polícia que a criança saiu do hospital saudável.

Nas primeiras horas de investigação, toda a família alegou que o suspeito não pegava na criança pelo fato dela ser muito pequena ainda. Porém, a polícia verificou que ele já tinha uma passagem pela polícia por estupro no ano de 2016.

A polícia informou também que todos os familiares sabiam sobre essa passagem dele por estupro e não contaram. O acusado acabou confessando o crime e foi transferido para Manaus. A criança está internada no hospital sem previsão de alta.

A delegada explicou que no primeiro momento os médicos queriam fazer a reconstrução do órgão genital da bebê, mas como ela é muito pequena e o homem não foi rompido, a equipe espera que órgão se regenere.