Troca de experiências e o protagonismo feminino no primeiro dia do Seminário Mulheres da Floresta

Rodas de conversa sobre os desafios de ser mulher na Amazônia, as políticas públicas para mulheres da floresta, a participação em movimentos sociais, gestão de negócios, autoestima e autoimagem foram destaques no primeiro dia do “Seminário Mulheres da Floresta”, promovido pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS). O evento acontece até nesta quinta-feira, dia 30 de março, em Manaus, reunindo mais de 80 mulheres de organizações comunitárias, empreendedoras, pesquisadoras, ativistas e especialistas de centros urbanos, vindas de diferentes partes da Amazônia. O objetivo do seminário inédito é potencializar o protagonismo feminino das populações tradicionais moradoras de áreas protegidas (Unidades de Conservação, Terras Indígenas e Quilombolas) da Amazônia, com o objetivo de fortalecê-las nas tomadas de decisões em seus territórios.

Uma dessas protagonistas é Izabel de Melo, da Reserva Extrativista (Resex) Catua Ipixuna, localizada no município de Tefé (a 521 quilômetros da capital do Amazonas). Ela reconheceu a própria experiência nos relatos de várias mulheres durante as rodas de conversa. “Foram experiências realmente vividas por lideranças comunitárias, em algumas falas eu estava me vendo na conversa, representando tudo o que a gente passa no dia a dia. Isso é encorajamento para muitas mulheres e também para muitos homens que sofrem preconceito”, disse a participante. A expectativa de Izabel é compartilhar e adquirir conhecimentos que levará de volta para a sua comunidade. “Eu espero de coração que todo mundo se sinta bem, que cada um que veio para cá consiga captar o máximo de informações possíveis para as suas comunidades e consigam representá-las de fato. A gente veio representando centenas de pessoas que ficaram lá esperando que a gente faça uma boa atividade, um bom encontro, e que leve alguma resposta para eles também”, disse Izabel.

O mesmo objetivo é compartilhado por Belmira da Silva, representante da comunidade Bom Jesus, no município de São Gabriel da Cachoeira, localizada a 852 quilômetros de Manaus. “Viemos aqui para ouvir, para levar desse seminário algo produtivo para as nossas bases, para as nossas mulheres que tanto precisam desse conhecimento. Tudo que ouvimos na roda de conversa foi algo que a gente vive em nosso dia a dia, a violência, as mudanças climáticas, tudo que foi falado estamos vivendo como mulheres indígenas da nossa região”, compartilhou.

Já a representante da Aldeia Jabuti, em Careiro da Várzea (na Região Metropolitana de Manaus), Ana Claudia dos Santos, resumiu o desejo das participantes indígenas do seminário. “Que nós mulheres sejamos mais respeitadas, nós mulheres indígenas, porque nós lutamos muito pelos nossos direitos. Então eu creio que esse evento vai ser muito bom para compartilhar um pouco da experiência da minha aldeia. Nós mulheres temos que ter vozes, nós temos os nossos direitos, e temos que lutar cada vez mais”, ressaltou Ana. 

Programação

As atividades do Seminário Mulheres da Floresta seguem até nesta quinta-feira. No segundo dia de programação, nesta quarta-feira, 29 de março, serão abordados temas como formas de violência, segurança alimentar das populações, cuidados com o corpo e mudanças climáticas. À tarde, o cronograma segue com o levantamento, elaboração e socialização de propostas para o “Manifesto das Mulheres da Floresta”.

O último dia de programação, 30, terá debates sobre educação, empreendedorismo, impacto socioambiental, protagonismo feminino e política nacional. O encerramento acontecerá com a entrega e envio do documento ‘Manifesto das Mulheres da Floresta’ para representantes políticos do Amazonas e do Brasil.

“Desde o início de suas atividades, em 2008, a FAS sempre trouxe a temática da mulher como prioritária e necessária para fortalecer a importância e o papel feminino no fortalecimento dos seus territórios. Queremos continuar evidenciando esse tema na busca de inserir cada vez mais as mulheres em debates locais, regionais, nacionais e internacionais”, afirma Valcléia Solidade, superintendente de Desenvolvimento Sustentável de Comunidades da FAS.

O Seminário Mulheres da Floresta acontece na sede da FAS, localizada na Rua Álvaro Braga, 351, Parque Dez de Novembro, na Zona Centro-Sul de Manaus. O evento possui apoio da Azul, Bemol, Escola de Ativismo, VINCI Airports e Solar – Cola-Cola.

Sobre a FAS

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos que atua pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia por meio de programas e projetos nas áreas de educação e cidadania, saúde, empoderamento, pesquisa e inovação, conservação ambiental, infraestrutura comunitária, empreendedorismo e geração de renda. A FAS tem como missão contribuir para a conservação do bioma pela valorização da floresta em pé e de sua biodiversidade e pela melhoria da qualidade de vida das populações da Amazônia. Em 2023, a instituição completa 15 anos de atuação com números de destaque, como o aumento de 202% na renda média de milhares famílias beneficiadas e a queda de 40% no desmatamento em áreas atendidas entre 2008 e 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *