Guardiã da floresta gera renda por meio de produtos naturais da reserva sustentável Puranga Conquista

Elizangela Borges é pioneira no desenvolvimento de cosméticos naturais e já exportou para Rússia, Índia e Estados Unidos

Com mais de oito anos de criação, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga Conquista, na Margem Esquerda do Rio Negro, é protegida por comunitários que geram renda sustentável por meio da floresta. Incentivar e disseminar práticas que atuam em prol da conservação da Amazônia é um dos objetivos de Elizangela Borges, de 40 anos, pioneira no desenvolvimento de cosméticos dentro de uma RDS e proprietária da Pousada Yara o Encanto da Floresta. “A nossa primeira oficina na nossa comunidade foi sobre o xarope de Jatobá e a pomada milagrosa. Aquela vontade de levar saúde para as pessoas através dos cosméticos foi nascendo em mim. Meus primeiros sabonetes foram de copaíba e andiroba, que vieram a nascer em 2020. O Yara nasceu justamente com o objetivo de levar para os cosméticos os benefícios por meio das plantas e ervas medicinais”, disse.

A guardiã do meio ambiente contou que a ideia da linha de cosméticos deu tão certo, que já exportou os produtos naturais para os países da Rússia, Índia e Estados Unidos. Já no âmbito nacional, Elizangela exporta para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e para todo o Amazonas. “As pessoas começaram a provar esse produto, começaram a se interessar e encomendaram os produtos. O retorno para mim é muito gratificante. Falo que a natureza vale muito mais em pé do que derrubada. A gente precisa desse ar para viver e a floresta para se manter em pé precisa ter o nosso respeito”, enfatizou.

O material da Usina de Cosméticos, que produz sabonete, shampoo e óleos essenciais, é todo retirado das árvores da Comunidade Bela Vista do Jaraqui, RDS, que fica dentro da Reserva Puranga Conquista.

RDS Puranga Conquista

A RDS Puranga Conquista foi criada em 2014. Inicialmente, a área integrava o Parque Estadual Rio Negro Setor Sul – que, por ser uma UC de proteção integral, não permitia a existência de moradores no local. Com a recategorização da Unidade de Conservação, uma área de 77.011,46 hectares do Parque virou o que hoje é a RDS – UC de uso sustentável, que permite a existência de populações tradicionais integradas a um sistema de exploração sustentável dos recursos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *