Wilson Lima anuncia investimentos de R$ 45,1 milhões para expansão do mercado de gás natural no Amazonas

 Investimentos serão aplicados neste ano de 2023 e são mais um importante passo para o fomento de novas matrizes econômicas no estado

O governador Wilson Lima anunciou, nesta quarta-feira (15/02), investimento de R$ 45,1 milhões para a expansão do mercado de gás natural (GN) no estado, neste ano de 2023. O recurso do Governo do Amazonas será aplicado no plano de expansão da rede de gasodutos, com o objetivo de ampliar o número de unidades consumidoras (UC’s) beneficiadas. O aporte será feito por meio da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), responsável pelo serviço público de distribuição e comercialização de gás natural (GN),

O anúncio, que representa mais um importante passo do Governo do Amazonas na direção de fomentar novas matrizes econômicas, foi feito na Usina Termelétrica (UTE) Manauara, que integra o conjunto de unidades consumidoras do segmento termelétrico (principal consumidor do GN) atendidas pelo gás natural fornecido pela Companhia.

A ação está em consonância com o Plano de Diretrizes e Estratégias para o Desenvolvimento Econômico Sustentável do Amazonas, lançado recentemente pelo Executivo estadual, sob a coordenação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti).

O montante de investimento está previsto no mais recente plano de negócios da Cigás, aprovado pelo Conselho de Administração (CAD) da Companhia em dezembro de 2022. Com a aplicação do recurso, a Cigás pretende expandir a rede de distribuição de gás natural (RDGN) para mais de 270 quilômetros de extensão em 2023. Atualmente, a infraestrutura de gasodutos é de 239 quilômetros.

O planejamento da Companhia prevê diversas frentes de atuação, denominadas bolsões de obras, visando a expansão da rede de gasodutos em ruas e avenidas de diferentes zonas de Manaus.

Parte dessas obras iniciou no ano passado e deve ser finalizada no primeiro semestre de 2023. São elas: bolsões Max Teixeira, Distrito Industrial (etapa 3), Eliza Miranda (etapa 1) e Dom Pedro (terceira etapa).

Em junho, serão iniciados novos contratos para execução de obras nos demais meses de 2023 até o primeiro semestre de 2024, compreendendo os bolsões Torquato Tapajós (etapas 2, 3 e 4), Mosaico, Eliza Miranda (etapa 2), Autaz Mirim, Chapada, Distrito Industrial (etapa 4), Dom Pedro (etapa 4), Adrianópolis e Vieiralves.

Vantagens do gás natural

A economia proporcionada para quem usa o gás natural é a principal vantagem. Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apontam que, no período de 1º a 7 de janeiro deste ano, o uso do combustível em indústrias pode gerar economia de até 61%; de até 33% no segmento veicular; e 55% no segmento comercial.

O segmento do gás natural também tem papel importante na preservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável na Amazônia. A razão é que, devido às suas diferentes aplicabilidades, o gás natural pode ser utilizado pelas unidades consumidoras da Companhia em lugar de combustíveis mais poluentes, como diesel e óleo.

Outro ganho, tanto ambiental quanto em termos de mobilidade urbana com o uso de gás natural localmente, foi a retirada de circulação do trânsito da cidade de Manaus de mais de 300 carretas de combustível líquido por dia. Os benefícios decorrentes foram a redução da emissão de CO2, diminuição de substâncias poluentes e a melhoria da qualidade do ar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *